Em alusão ao Dia da Atividade Física (06/04) e ao Dia Mundial da Saúde (07/04), a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) convida as operadoras a desenvolverem ações voltadas a práticas saudáveis junto aos seus beneficiários. A Agência endossa a recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS), cuja campanha em 2019 visa à redução global da inatividade física: a entidade anunciou que vai trabalhar para reduzir em 15% a inatividade física até 2030. As operadoras que tiverem interesse em aderir à essa importante iniciativa podem entrar em contato com a ANS através do e-mail promoprev@ans.gov.br.

A atividade física regular é fundamental para prevenir e tratar doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs), como as cardiovasculares, diabetes e câncer, além das doenças mentais. Essas enfermidades são responsáveis por 71% de todas as mortes no mundo, incluindo as mortes de 15 milhões de pessoas por ano entre 30 e 70 anos. Mais do que um desafio para a saúde, a inatividade física também traz impactos financeiros. Globalmente, estima-se que a falta de atividade física custe US$ 54 bilhões em assistência médica direta, dos quais 57% são incorridos pelo setor público.

Desde 2012, quando instituiu os programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Riscos de Doenças (Promoprev), a ANS incentiva as operadoras a atentarem cada vez mais ao cuidado preventivo e à promoção da saúde, associados à  coordenação do cuidado. Atualmente existem 1.822 programas Promoprev cadastrados junto à ANS, contemplando aproximadamente 2,25 milhões de beneficiários de planos de saúde. Em sete anos, houve um crescimento de mais de 432% no número de programas. Das 743 operadoras médico hospitalares ativas com beneficiários, 394 delas (53%) têm programas desse tipo na ANS. E das 394 operadoras exclusivamente odontológicas ativas com beneficiários, 15 (4,27%) têm programas na ANS.

Em 2017, a Agência criou ainda o Projeto Enfrentamento da Obesidade e do Sobrepeso, trabalho multidisciplinar pautado em estudos científicos que visa promover melhorias e incentivos na atenção à saúde relacionada ao combate à obesidade e excesso de peso entre beneficiários de planos de saúde. Através do projeto, foi produzido o Manual de Diretrizes para o Enfrentamento da Obesidade na Saúde Suplementar Brasileira, ferramenta para orientar as operadoras a adotarem medidas de combate à epidemia da doença e para a adoção de um modelo de atenção à saúde integral e mais centrado nas necessidades dos indivíduos.