As operadoras de planos de saúde estão prestes a ter novas regras de margem de solvência, ou seja, aquelas que obrigam as empresas do setor a terem um patrimônio reservado para casos de falência. Atualmente, há cerca de R$ 28 bilhões nessa conta e a expectativa das operadoras, que vêm pleiteando essa mudança há pelo menos sete anos, é que a medida pode levar a um corte de 50% no valor atualmente provisionado.