Cuidar da saúde está bem mais caro no último ano. A inflação dos gastos com saúde e cuidados especiais está em 11,82% em 12 meses, de acordo com o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que é a prévia da inflação oficial medida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

No mesmo período, o índice geral está em 8,98%.

A inflação dos gastos médicos foi bastante pressionada pelo reajuste dos planos de saúde, que tiveram variação de 14,11% no período.

Os preços maiores dos medicamentos também influenciaram o índice. Os anti-inflamatórios e antirreumáticos subiram 14,01% e os gastroprotetores (para dores de estômago) ficaram 14,77% mais caros em 12 meses. O custo de artigos ortopédicos avançou 18,94% e o dos aparelhos ortodônticos subiu 11,04%.

Com alta de preços de 13,34%, os medicamentos para tratamentos psiquiátricos, como psicotrópicos e anorexígenos, também estão entre os produtos farmacêuticos que subiram acima da inflação geral.

Enquanto os produtos tiveram uma escalada de preços, os serviços subiram menos no período. O atendimento em fisioterapia variou 4,13%, os exames de laboratório avançaram 5,66% e passar pelo psicólogo subiu 3,31%. Acima da inflação ficou o atendimento no dentista (9,38%). Veja o que mais subiu Item