Entre os grupos que puxaram a inflação em agosto, a saúde registrou o terceiro maior aumento — atrás apenas de habitação e transportes. Se o IPCA ficou em 0,19%, a alta da categoria de saúde e cuidados pessoais chegou a 0,41%, ante 0,37% em julho. O principal responsável por essa alta foi a alta dos planos de saúde, que subiram 1,07% no mês passado.

A alta dos planos de saúde é muito próxima da variação de julho, que foi de 1,06%. Desde o começo do ano, o item já acumula alta de 8,83%. Em 12 meses chega até 13,55%. O reajuste dos planos de saúde é definido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

A inflação também subiu nos serviços médicos e dentários. A variação ficou em 0,51%. Ao contrário do caso dos planos de saúde, a taxa é uma desaceleração em relação a julho, quando ficou em 0,55%. No acumulado de 2017, a inflação dos serviços médicos chega a 4,54%, enquanto o dos últimos 12 meses avança 6,05%

Nos últimos três meses, a inflação da saúde tem se mantido abaixo das taxas do início do ano. Abril foi o mês de maior aumento, quando o índice chegou a 1%. Em abril de 2016, a taxa era de 2,33%.