arrefecimento da pandemia tem trazido oportunidade de aquisições para o grupo Hapvida, disse o presidente da empresaJorge Pinheiro, a analistas e investidores. Segundo o executivo, pequenos e médios concorrentes que foram atipicamente agressivos na captação de clientes nos últimos meses estão sofrendo para pagar a conta da pandemia. “Muitas dessas empresas que estavam com portas fechadas vieram para mesa [de negociação]”, disse Pinheiro, em teleconferência com analistas nesta sexta-feira (12).

O executivo reforçou que o grupo tem um pipeline de M&A robusto em andamento, com transações em diferentes fases, com foco em operadoras de saúde e hospitais.

Em paralelo, a empresa espera a retomada do crescimento orgânico. “As adesões foram intensas no terceiro trimestre”, disse. “No quarto trimestre, voltaremos aos níveis históricos de crescimento orgânico, nos permitindo ganhar share em todas as regiões”.

Pinheiro afirmou que a sinistralidade do grupo Hapvida caminha a uma “tendência muito sólida” de voltar a “gravitar” em torno de 60% e que o indicador foi prejudicado no terceiro trimestre pelo maior patamar de sinistros nas operações recentemente adquiridas. Apesar disso, ele se disse satisfeito com a sinistralidade do período, dado o cenário.

Segundo Pinheiro, os procedimentos cirúrgicos que estavam acumulados por conta da pandemia de covid-19 já foram zerados no terceiro trimestre.

Gastos com a covid-19

Os efeitos dos gastos relacionados à pandemia de covid-19 serão “irrelevantes” nos resultados da rede de hospitais da Hapvida no quatro trimestre, disse Pinheiro. Segundo o executivo, todos os 1.700 leitos dedicados exclusivamente à covid-19 já foram desmobilizados.

Além disso, afirmou o presidente da Hapvida, a empresa está “bastante otimista” com normalização operacional nos próximos trimestre. “Caminhamos com força para nossos patamares históricos de sinistralidade”, disse.