O efeito da crise causada pelo novo coronavírus nas empresas de planos de saúde negociadas em bolsa ainda não chegou. A maioria delas teve um trimestre dos sonhos, com altas expressivas nos lucros em plena crise.

A operadora de planos de saúde Hapvida teve lucro de 278,6 milhões de reais no segundo trimestre, um aumento de 25% em relação ao mesmo período do ano anterior. A Notredame Intermédica teve lucro de 223,6 milhões no período, mais que o dobro do registrado no mesmo período de 2019. Na SulAmérica, o lucro no período foi de 498,3 milhões de reais, alta de 91% em relação a 2019. O trimestre mágico se explica principalmente pelo adiamento de procedimentos devido à pandemia.

Mas a ameaça do desemprego torna o futuro ainda nebuloso. Em um cenário de alta do desemprego, o setor pode perder de 5,7% a 13,5% de seus 47 milhões de clientes. É nesse contexto que a consultoria e corretora de seguros de saúde Qualicorp divulga seus resultados do segundo trimestre.

Os números vêm poucos dias após a notícia de que a Qualicorp fechou parceria comercial com a operadora de planos de saúde Notredame Intermédica. Pelo acordo, a Qualicorp passa a vender planos da Notredame em seus canais próprios. Passa também a oferecer produtos da Notredame no segmento de planos coletivos por adesão (antes eles estavam disponíveis somente para os segmentos Empresarial e PME).

A parceria faz parte da nova estratégia comercial da Qualicorp, com foco em reforçar e ampliar seu portfólio de produtos. A companhia afirmou que está atenta a novas oportunidades de parcerias no mercado. Em junho, a Qualicorp já havia anunciado a compra da carteira de beneficiários de planos por adesão da Assim Saúde, do Rio de Janeiro. A carteira, com 14 mil vidas, foi adquirida por 20 milhões de reais.

As movimentações da companhia para ampliar seu portfólio têm sido bem vistas pelo mercado. Em relatório, analistas do Bradesco BBI destacaram que a parceria com a Notredame traz para o portfólio da Qualicorp produtos com ticket médio de 200 reais mensais, enquanto os principais produtos da empresa hoje são planos de operadoras como Amil, SulAmérica e Bradesco, com ticket médio de 600 a 700 reais.

A novidade deve “acelerar a estratégia de crescimento de beneficiários da Qualicorp, à medida em que poderá abrir um novo tipo de produto, para consumidores de renda mais baixa”, diz o relatório. Um movimento importante em um contexto de perda de renda. Segundo os analistas, “outras parcerias podem ser anunciadas no curto prazo, como com a Prevent Senior”.

A movimentação da Qualicorp se justifica. Em 2018, a seguradora perdeu quase metade de seus beneficiários — foi de 4,5 milhões de clientes no final de 2017 para cerca de 2,4 milhões ao final de 2018, patamar em que se manteve desde então.

Por enquanto, a Qualicorp também não foi impactada pela crise, assim como as operadoras de planos. No primeiro trimestre, a receita líquida da companhia foi de 502,5 milhões de reais, alta de 7,7% em relação ao primeiro trimestre de 2019. O lucro ficou em 70,7 milhões de reais, queda de 27% em relação ao primeiro trimestre de 2019, mas pressionado por despesas extraordinárias que incluem o pagamento de 42 milhões de reais pela rescisão de um executivo.

As medidas recentes da Qualicorp buscam manter os efeitos da pandemia bem longe do seu balanço.