A maioria (81%) das empresas tiveram aumentos de gastos com seguro saúde acima da inflação nos últimos 12 meses, aponta pesquisa da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos).

Para 44,5% das companhias, os dispêndios com os planos dos empregados e seus dependentes cresceram mais que o dobro do IPCA.

As empresas precisam começar a orientar os seus funcionários a usar os planos, afirma Luiz Edmundo Rosa, diretor da associação.

“A maioria das companhias já adotou o seguro com sistema de coparticipação, em que o funcionário paga uma parte dos atendimentos, mas mesmo isso não tem sido eficaz para reduzir o número de exames”, diz ele.

Na década passada, gasto com a saúde passou a educação e se tornou o segundo maior para as empresas, atrás da folha de pagamentos.

O Brasil tem 31,6 milhões de beneficiários de planos de saúde suplementar ligados a empresas (ou seja, funcionários ou dependentes).

Esse é o grupo com maior representatividade entre os segurados, segundo a ANS.